SPC: vilão ou mocinho?

“Eu vou “sujar”! Seu nome no seu SPC”, diz a letra da música do sambista Zeca Pagodinho. Mas será que punir, castigar e “sujar” o nome das pessoas é mesmo o papel do Serviço de Proteção ao Crédito?

Na realidade, um dos principais motivos que contribui para uma imagem distorcida do SPC é a falta de informação.

Em um estudo feito pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Santa Catariana (FCDL/SC), um dado muito interessante foi verificado: a pesquisa mostrou que mais de 80% de todas as pessoas que buscam crédito no estado, seja para empréstimo, para um financiamento ou para uma compra no crediário, não possuem histórico negativo ou com restrições.

Para entender melhor o que isto significa precisamos enfatizar que estamos falando apenas de pessoas que tiveram seus históricos consultados quando estavam tentando comprar a prazo ou obter um financiamento. Ou seja, são novos consumidores, pessoas sobre as quais o mercado conhecia muito pouco ou nada até então, e, portanto, não tinha informações suficientes para conceder crédito sem uma análise mais criteriosa.

Com isso, podemos traduzir pelo resultado do estudo que mais de 80% das pessoas que buscam crédito só tem êxito no seu objetivo graças às informações contidas no SPC.

É como se o banco de dados fosse um cartão de visitas para quem ainda é desconhecido para o mercado, um avalista que, com base nos dados, informa ao analista de crédito,
“ pode fazer negócio porque esta pessoa tem um bom histórico.”

Das grandes economias mundiais, o Brasil ainda é um dos países que tem a menor quantidade de acesso ao crédito em relação ao PIB. De cada real produzido no país, menos de cinquenta centavos são tomados em crédito por pessoas e empresas, o que é negativo, pois há muito mais dinheiro parado nos cofres dos bancos ou sendo investidos em outros países, do que girando na economia local.

Por esta razão, a FCDL/SC está lançando a campanha Consumo Azul, que tem como mote principal o consumo consciente e a importância do resgate do crédito por parte dos inadimplentes. Neste contexto, o SPC tem um papel de protagonista, pois muito mais do que um vilão malvado que traz dificuldades às pessoas, o Serviço de Proteção ao Crédito abre portas, possibilita acesso ao crédito para mais de 80% das pessoas e auxilia na redução da inadimplência, trazendo consigo menores taxas de juros e maiores facilidades para quem precisa comprar no crediário ou financiar a aquisição de sonhos e necessidades.

 

Valdemir Manoel da Silva

Gerente Comercial da FCDL/SC