FCDL Notícias

Cross channel como estratégia de marketing para varejistas

Por Kimberly Cavalli, Gerente de marketing e desenvolvimento de produtos
da Golfran

Você sabia que para definir a melhor estratégia de marketing para sua
empresa, é essencial conhecer a persona de sua marca? É necessário que
você conheça em detalhes quem é o seu cliente, o que ele procura, quais
são os seus hábitos, analisar seu comportamento e, no final, conseguir
identificar qual o perfil de consumo.

Ter essas informações permite moldar os canais de vendas às expectativas
dos clientes, e então, garantir o interesse na empresa e no que ela pode
oferecer. O ato de conseguir administrar essas informações do seu cliente,
chama-se CRM – Customer Relationshop Management – e é o melhor
meio de conquistar maiores taxas de conversão de vendas.

Criar a fusão correta de dados sobre seu cliente é o que está por trás de
uma marca de sucesso com as tendências que estão em alta: o Cross
Channel. O mercado está mudando e suas estratégias também. Há pouco
tempo o método de conquista do público-alvo era estar em todos os
lugares. Esse mecanismo chama-se Multi Channel, que ainda é usado em
muitas instituições, porém seguindo o padrão “junto e misturado”.

Uma explicação fácil é imaginar um consumidor que se interessa por um
anúncio patrocinado em alguma mídia social. O potencial cliente ‘dá um
clique’ e cai direto no site da empresa. Ele se interessa por itens e começa
a colocá-los no carrinho, mas não fecha a compra, necessariamente. Saber
por que isso acontece é essencial e por isso, o segredo está em analisar o
tracking da melhor forma.

Na maioria das vezes a melhor maneira de evitar que os itens fiquem
abandonados no carrinho de compras online é misturar os canais de
comunicação fazendo com um seja complemento do outro e atendam o
objetivo do consumidor como solução de vendas. Esse é o Cross Channel.

Um case de sucesso dessa estratégia no Brasil é o da Amaro. A startup
criou seus guideshops – ideia em que o cliente experimenta os produtos
em uma loja, faz a compra e recebe em casa. O conceito é ágil: ao sair da
fábrica, as peças de roupas já vão direto para os guideshops ou e-
commerce. E além da compra ser rápida e simples, a devolução, também
é.

É uma ação genial que a marca fez no ano de 2018, durante a Black Friday.
A Amaro fez uma live em seu Instagram, de madrugada, onde aconteceu
um leilão ao vivo com produtos que estavam com desconto. Então, os
clientes podiam, em tempo real, interagir com o perfil da empresa e dizer
o valor que gostaria de pagar por cada peça.

O mercado com o Cross Channel evoluiu ainda mais. Agora, o consumidor
pode conhecer um produto por um catálogo físico e poder pesquisar mais
sobre ele online, além de escolher se prefere comprá-lo pela internet, em
uma loja ou até receber em casa em pouco tempo por aplicativo
terceirizado.

Mas sempre há um porém. Para que os clientes e a empresa tenham um
relacionamento verdadeiro através do Cross Channel, é preciso seguir a
seguinte dica: a identidade de uma marca deve estar representada da
mesma maneira em todos os canais.

É essencial que haja o reconhecimento automático da marca pelo cliente
logo quando ele entrar na loja física, por exemplo. A identidade deve ser
mantida para que a credibilidade não se perca e essa conexão de canais
seja instantânea entre o vendedor, o catálogo, o site, os anúncios etc.

Sabe por que essa compatibilidade de canais deve ser mantida? Porque
quando o cliente se conecta com o meio que ele está acostumado, as
chances de conversão são maiores. Resumindo, a taxa de vendas é maior
quando a empresa se faz presente onde está seu público-alvo, sem perder
sua identidade, podendo estar em vários locais diferentes.

Vivemos uma época em que a maioria dos consumidores optam por
realizar compras online, sem interação com vendedores. Mas, ainda há
um grupo de clientes que checam as informações em lojas físicas. Um
exemplo claro de empresas que passam por isso é a Americanas, Saraiva,
Extra e diversas outras varejistas.

A venda direta, tradicional porta-a-porta através de catálogos, também
conta com a estratégia Cross Channel. Na varejista gaúcha Golfran,
consultores apresentam pessoalmente os produtos, mas, o cliente pode
optar por também fazer a compra online.

E não para por aí. O Cross Channel também é representado por
campanhas publicitárias. Há pesquisas que indicam que consumidores que
vêem anúncios em vários canais – e não se incomodam – possuem taxa de
conversão 24% maior do que aqueles que vêem a propaganda por apenas
uma mídia.

Fonte: Revista Varejo Brasil

FCDL Notícias
  • Conheça 10 atitudes que destacam os melhores vendedores lojistas!

    Continue lendo Clique e leia
  • O que é comportamento empreendedor, segundo três especialistas

    Continue lendo Clique e leia
  • Sete dicas para melhorar a experiência do cliente nos atendimentos com chatbots

    Continue lendo Clique e leia
  • Como usar as redes sociais para vender mais

    Continue lendo Clique e leia
  • Os cinco pilares de um atendimento excepcional ao cliente

    Continue lendo Clique e leia
  • Confiança como ponto chave para o e-commerce

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais