FCDL Notícias

Empresários sinalizam o que esperam de Michel Temer

Pesquisa da Amcham mostra que 74% dos empresários enxergam o primeiro mês de Temer como “neutro”. Eles esperam capacidade de gestão. Desde o dia 31 de agosto, Michel Temer deixou de ser presidente interino e foi efetivado no cargo, após o afastamento definitivo de Dilma Rousseff. A substituição era uma das principais demandas do empresariado do país. Mas, por enquanto, ainda há muito por fazer.

Na avaliação de 74,2% das empresas, os primeiros 30 dias do novo governo foi um período “neutro”, segundo pesquisa realizada pela Câmara Americana de Comércio/Amcham. O estudo mostra que os empresários estão aguardando medidas duras e esperam que o Governo demonstre capacidade de gestão e governabilidade para reverter o cenário de recessão econômica.

Segundo o levantamento, 20,6% dos pesquisados avaliaram o primeiro mês de Temer de forma “positiva”, e identificaram a condução de boas iniciativas que deverão reverter o cenário econômico negativo. Já outros 5,2% consideraram o período “negativo”.

No entanto, a pesquisa mostra que a maioria (79,1%) dos empresários está “esperançosa” em relação à economia do País na condução do Governo Temer em 2017, e com expectativa de retomada no médio e longo prazo. Outros 11,9% estão “confiantes” e acreditam na retomada ainda no curto prazo, e 9,1% registraram “desconfiança” com incertezas em relação à capacidade de retomada econômica com o novo presidente.

De acordo a pesquisa, na perspectiva de 54,4% dos empresários, Temer conseguirá liderar a aprovação da “PEC 241 dos Gastos”, mas no curto prazo deve seguir com propostas de aumento de impostos, apesar de ter declarado que evitará a criação de novos tributos. Para 19,8%, a aprovação acontecerá e não eliminará a necessidade de impostos extras. E, 11,5% avaliam que o Presidente não conseguirá a aprovação e o cenário será de aumento.

Por fim, o levantamento mostra que na avaliação dos executivos, além do programa de concessões, existem outras áreas prioritárias para a reativação da economia. São elas: produtiva (53,4%), com ações que garantam a competitividade da indústria; comércio exterior (15,8%), com incentivos e acordos internacionais preferenciais, bilaterais e de convergência regulatória; educacional (15,8%), com formação técnica e de mão de obra em áreas chaves como ciências exatas, engenharia e de pesquisa; e inovação (15%), com investimentos em pesquisa e desenvolvimento de produtos e serviços.

Fonte: Portal No Varejo

FCDL Notícias
  • Conheça 10 atitudes que destacam os melhores vendedores lojistas!

    Continue lendo Clique e leia
  • O que é comportamento empreendedor, segundo três especialistas

    Continue lendo Clique e leia
  • Sete dicas para melhorar a experiência do cliente nos atendimentos com chatbots

    Continue lendo Clique e leia
  • Como usar as redes sociais para vender mais

    Continue lendo Clique e leia
  • Os cinco pilares de um atendimento excepcional ao cliente

    Continue lendo Clique e leia
  • Confiança como ponto chave para o e-commerce

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais