FCDL Notícias

O Boticário mantém liderança entre as maiores franquias do Brasil

A fabricante de cosméticos O Boticário está mais uma vez no topo do
ranking do levantamento “Perfil das 50 Maiores Redes de Franquias do
Brasil”, divulgado nesta terça-feira, 22/01, pela Associação Brasileira de
Franchising (ABF). Essa foi a terceira edição do estudo e a terceira vez que
a empresa aparece na primeira posição.

Considerada um case de sucesso de indústria que migra para o varejo
através das franquias, a marca, nascida em Curitiba (PR) há mais de 40
anos, mantém a liderança pela terceira vez, após fechar 2018 com 3.724
operações do gênero no país, que incluem lojas, e-commerce, vendas
diretas e quiosques.

Apesar de o número ser ligeiramente inferior ao de 2017, quando fechou
o ano com 3.762 operações, a marca encerrou 2018 com mais de mil
unidades à frente de vice-líder, a AM PM Mini Market, que se manteve em
2º lugar com 2.493.

Na sequência, o McDonald’s subiu da quarta para a terceira posição, com
2.289 pontos de venda, trocando de lugar com a Cacau Show, que nesta
edição ficou em quarto, com 2.232. Já a rede americana Subway, que
voltou a participar do levantamento da ABF em 2018, já entrou em 5º,
com 2.094 lanchonetes no país.

A rede Jet Oil, de serviços automotivos, ficou em 6º lugar, seguida pela
Kumon, de serviços educacionais, que manteve a 7ª posição. Já a CVC
ficou pela primeira vez entre as 10 mais do ranking da ABF, subindo do 11º
lugar para o 8º. Já a Wizard By Pearson, também da área educacional,
manteve o 9º posto, e a BR Mania ficou em 10º.

No ranking geral, outras marcas, assim como a CVC, subiram de posição,
mas no ramo de microfranquias (com investimento até R$ 90 mil – caso da
Acquio Franchising, que inaugurou o modelo de franquia de maquininhas
de cartão. A rede foi a que mais subiu no ranking, da 21ª para a 15ª
posição, fechou 2018 com 1.113 unidades e é a única de tecnologia entre
as 20 maiores.

Outras marcas com bom desempenho foram a microfranquia do ramo de
seguros Seguralta (17ª para a 12ª posição), e a internacionalizada
Chiquinho Sorvetes (30ª para a 27ª).

Além da Subway, novas marcas entraram no ranking pela primeira vez,
como Burger King, Hinode, Club Turismo e a rede americana de franquias
de limpeza Jan-Pro.

O levantamento da ABF reafirmou também um movimento crescente no
franchising: o investimento em novos formatos para chegar a locais menos
acessíveis ou aumentar a capilaridade, como quiosques, unidades móveis
e operações store-in-store e home-based. De acordo com o estudo, entre
2017 e 2018, enquanto o percentual de lojas tradicionais caiu de 91% para
88%, os novos formatos aumentaram de 9% para 12%.

Nessa edição do ranking da ABF, para figurar entre as 50 maiores, o
volume de unidades deveria superar a marca de 300 – indicador que ficou
8% maior do que na edição 2017. Também aumentou o número de redes
com mais de mil unidades, 17 no total, número 21% maior do que no
levantamento anterior. “Mesmo em um ano de tantas incertezas e altos e
baixos da economia, o estudo mostra que os investimentos para manter a
expansão e inovar continuaram”, afirma André Friedheim, presidente da
ABF.

A integração de canais – ou omnichannel – também já está se
incorporando ao franchising: de acordo com Vanessa Bretas, gerente de
inteligência de mercado da ABF, pelo menos 45% das redes trabalham
com meios digitais, como e-commerce e aplicativos, em paralelo à
operação física. “O que era tendência virou realidade.”

2018, 2019

Um balanço preliminar da ABF mostra que o setor deve registrar em 2018
uma alta nominal de 7%, e faturamento próximo a R$ 170 bilhões. Em
número de unidades, a estimativa é de alta de 5%, e de novas marcas, de
1%, puxados pelo aumento da confiança do consumidor e maior
investimento por parte das redes.

“Cada vez mais os franqueados investem em formatos, pontos comerciais
alternativos e novas formas de operar, adaptando seus modelos de
negócio sem perder o DNA da marca mesmo em um cenário desafiador”,
afirma o presidente da ABF André Friedheim.

Outra estimativa aponta que o setor gere 8% a mais de empregos diretos
no período – incluindo contratos intermitentes e temporários, puxados
pelo aumento do volume de vendas na Black Friday e de fim de ano. No
total, foram cerca de 1,3 milhão de trabalhados contratados no setor em
2018, segundo Vanessa Bretas. “A recuperação econômica associada aos
novos modelos de contratação previstos na Reforma Trabalhista explica
esse movimento”, afirma.

Quanto à internacionalização, dados já consolidados pela ABF mostram
que, em 2018, 145 redes nacionais operavam em 114. Em 2017, esses
números eram 142 e 100, respectivamente. No movimento contrário, a
ABF registrou 190 redes estrangeiras no Brasil, originárias de 24 países.
Em ambos os casos, o mercado americano está na frente.
“Mais do que apenas 3 novas redes no exterior, são 14 países a mais”, diz
Friedheim. “Isso mostra que as franquias estão penetrando cada vez mais
no mercado externo e consolidando sua estratégia de longo prazo com
alto nível de maturidade.”

Fonte: Diário do Comércio

FCDL Notícias
  • Varejo agora é high-tech

    Continue lendo Clique e leia
  • Jornada de compra: pesquisa mostra grau de preparo dos lojistas com cada etapa

    Continue lendo Clique e leia
  • Lojas Biônicas se tornam realidade

    Continue lendo Clique e leia
  • Vídeos geram 30% mais vendas do que fotos nas redes sociais, revela estudo

    Continue lendo Clique e leia
  • Consumidores estão mais abertos ao consumo de marcas locais

    Continue lendo Clique e leia
  • Como as PMEs estão transformando o sistema bancário

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais