FCDL Notícias

Os desafios do mercado calçadista No Brasil

Dados divulgados, recentemente, pela Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos e Calçados (Abicalçados), diante de informações levantadas pela Kantar Worldpanel, mostram que o mercado calçadista brasileiro sofreu muito com a crise econômica nos últimos anos. De janeiro a outubro de 2016, a retração do setor foi de 16,5% em volume de vendas e de 15,4% na receita (comparado com o mesmo período do ano anterior), por exemplo.
A crise vem desde o segundo semestre de 2014, período no qual as famílias se viram endividadas, com créditos e limites de bancos comprometidos, presas a um cenário de queda da massa salarial. Em paralelo, a maior conscientização no consumo e a definição de prioridades nas compras, aumentaram no período. E, como o mercado interno é responsável pela absorção de 87% do total produzido pelo setor calçadista, o reflexo foi negativo na atividade no Brasil.
Esse foi, definitivamente, o maior problema enfrentado nos últimos tempos; aliado à concorrência de produtos de baixa qualidade – os importados –; o ‘custo Brasil’ – impostos, aluguéis, pessoal –, que encarece a operação, junto com os problemas logísticos enfrentados na entrega e distribuição dos produtos que são, em sua maioria, feitos via rodovias. Além, também, da consciente fragilidade da competitividade da economia nacional no mercado externo.
Assim, o varejo calçadista, em 2015 e 2016, sentiu a inversão de valores e preferências no dia a dia: itens de menor valor agregado foi a prioridades na rotina de compras do brasileiro, e o empresariado teve que mostrar seu amadurecimento como um todo, na busca pela melhoria e profissionalização de seus processos para manter o ritmo e a produtividade. Foi preciso um grande esforço por parte dos industriais e varejistas para que o resultado final não fosse ainda mais negativo, frente aos outros mercados e ao PIB nacional.
São dados concretos e reais, mas, contornáveis a longo prazo. E, com isto em mente, o empresário deve se preparar para esse perfil de consumo. A cautela e o otimismo são palavras de ordem. O primeiro semestre de 2017 ainda tende a ser de experimentação e adequação do mercado e do consumidor frente aos ajustes políticos e econômicos que o Brasil está passando. Em resposta, devemos considerar a atual instabilidade do País e dos cenários internacionais, e investir na diversificação do mix, colocando nas prateleiras o que o consumidor está procurando: chaveiros, bolsas, carteiras e outros itens que casem com a linha principal.
Em linhas gerais, é preciso manter, ainda, as metas conservadoras, em patamares realistas e alcançáveis, monitorar o mercado, a concorrência e o entorno para ajustar, rapidamente, o negócio, sem deixar de lado o treinamento da equipe, valorizando o colaborar e possibilitando que a roda gire, mesmo em compassos menores, devagar e sempre.

*Diogo Oliveira é fundador das Lojas Viggo e possui MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV/SP).

Fonte: Portal Falando de Varejo

FCDL Notícias
  • Varejo agora é high-tech

    Continue lendo Clique e leia
  • Jornada de compra: pesquisa mostra grau de preparo dos lojistas com cada etapa

    Continue lendo Clique e leia
  • Lojas Biônicas se tornam realidade

    Continue lendo Clique e leia
  • Vídeos geram 30% mais vendas do que fotos nas redes sociais, revela estudo

    Continue lendo Clique e leia
  • Consumidores estão mais abertos ao consumo de marcas locais

    Continue lendo Clique e leia
  • Como as PMEs estão transformando o sistema bancário

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais