FCDL Notícias

“Uber” dos serviços domésticos começa expansão nacional

Quem é que nunca teve problema para encontrar um bom prestador de serviço?
Até mesmo trabalhos básicos como instalar um chuveiro ou desentupir uma pia
podem se transformar em uma verdadeira epopeia.

Agora, imagine usar uma espécie de rede social para fazer orçamentos e, a partir do
preço e da avaliação dada por outros clientes, negociar e fechar o serviço, sem sair
de casa. É a isso que se propõe o Triider, startup que acaba de chegar em Curitiba
(PR), de onde vai começar a sua expansão para o restante do país.

Com mais de três anos desde sua criação, a plataforma, que teve o início de sua
história no Rio Grande do Sul – em Porto Alegre e em Canoas – já movimentou R$ 3
milhões e, em princípio, na capital paranaense vai cadastrar profissionais das áreas
elétrica, hidráulica, marido de aluguel e montador de móveis – a expansão dos
demais serviços oferecidos deve ocorrer conforme a demanda crescer. No estado de
origem, 80 novos negócios têm sido fechados por dia por meio da plataforma.

“Optamos por Curitiba por ser uma cidade disposta a usar os produtos digitais.
Entendemos que há um amplo potencial de crescimento e que seria uma ótima
oportunidade de perceber como nosso serviço será recebido em outras cidades”,
afirma o CEO do Triider, Juliano Murlick.

Desde que entrou em operação, em abril de 2016, a plataforma efetivou 20 mil
serviços, divididos em 8 grupos (limpeza, ar-condicionado, elétricos, hidráulicos,
reforma, montagem de móveis, fretes e assistência técnica), realizados por cerca de
240 profissionais cadastrados.

A média de ganhos dos profissionais vinculados ao Triider é de R$ 3 mil – mas há
relatos de prestadores que conseguem ganhos de até R$ 8 mil ao mês. “Esse
faturamento vai depender do mês, da disponibilidade do profissional e de outras
variáveis. Nós conseguimos criar um fluxo positivo tanto para o cliente quanto para
os profissionais”, explica Murlick. Do valor fechado entre cliente e profissional, a
startup fica com um porcentual do negócio.

Para os profissionais interessados, é preciso fazer um cadastro. A fim de garantir a
experiência e a segurança de quem contrata os serviços, a startup checa os
antecedentes criminais dos trabalhadores, as referências profissionais, realiza
treinamento presencial e obriga a apresentação de seus documentos oficiais, como
RG, CPF e comprovante de residência.

Como funciona?
Para o cliente, é preciso selecionar o serviço desejado e realizar um cadastro. Na
sequência, a plataforma disponibiliza aos prestadores de serviço qual é o trabalho
buscado, que respondem com orçamentos. Os valores ficam visíveis ao usuário, que
pode escolher conforme o preço, avaliação de serviços anteriores, entre outros
critérios. É possível contratar o serviço via chat no ato.

Os pagamentos são feitos com cartão de crédito por meio da plataforma, assim
como acontece no Uber ou no Airbnb, com possibilidade de parcelamento em até
seis vezes sem juros. A empresa já concluiu 20 mil serviços, com 95% dos
atendimentos avaliados com 5 estrelas.

Os clientes, desde que mantenham relação com o fornecedor estritamente via
plataforma, contam com seguro de até R$ 5 mil para negligências. Além de toda
garantia via Triider, os serviços oferecidos podem ser parcelados no cartão de
crédito.

“Com muito estudo de mercado e atendendo solicitações dos nossos usuários,
conseguimos chegar a uma ferramenta extremamente segura, prática, ágil e que
oferece serviços de excelência. E são essas características que levaremos para todo
o país, começando por Curitiba”, completa Juliano Murlick.

Fonte: E-commerce News

FCDL Notícias
  • Intraempreendedorismo e inovação em uma empresa familiar

    Continue lendo Clique e leia
  • 6 dicas infalíveis para aumentar as vendas no varejo

    Continue lendo Clique e leia
  • Varejo agora é high-tech

    Continue lendo Clique e leia
  • Jornada de compra: pesquisa mostra grau de preparo dos lojistas com cada etapa

    Continue lendo Clique e leia
  • Lojas Biônicas se tornam realidade

    Continue lendo Clique e leia
  • Vídeos geram 30% mais vendas do que fotos nas redes sociais, revela estudo

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais