Notícias

Cenário econômico faz brasileiro mudar hábitos de consumo

Consumidores passam a pesquisar mais os preços (foto: Bernard Hermant/Unsplash)

Diante de um cenário econômico desfavorável, boa parte das famílias passou a administrar melhor o orçamento e, consequentemente, criar uma relação mais saudável com o dinheiro. É o que aponta um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo SPC Brasil em parceria com o Banco Central do Brasil (BCB).

De acordo com o estudo, oito em cada dez (79%) brasileiros mudaram seus hábitos no dia a dia e, entre as medidas adotadas, se destaca a pesquisa de preços (59%) antes da aquisição de algum produto — percentual que chega a 68% nas classes A e B.

Além disso, 56% passaram a limitar gastos com lazer e 55% a controlar despesas pessoais. O aperto financeiro também fez com que muitas pessoas encontrassem alternativas para economizar. Mais da metade (54%) dos entrevistados procurou reduzir o consumo de luz, água e telefone. Outros 53% passaram a ficar atentos às promoções em busca de preços menores, enquanto 46% substituíram produtos por marcas similares mais baratas e 42% admitem ter incorporado em sua rotina a prática de pechinchar.

Na avaliação da Economista-Chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, os dados mostram que o consumidor está mais consciente da importância de controlar as despesas mais de perto. “A situação econômica desfavorável acabou deixando uma lição para a maioria dos brasileiros, que percebeu o quanto é fundamental ter uma vida financeira mais controlada”, diz.

As mudanças no padrão de vida para driblar os momentos de dificuldades acabaram causando impactos emocionais nos brasileiros, que viram seu poder de compra ser afetado. Para 32% dos entrevistados, a vontade de ter algo e não poder tem provocado uma sensação de impotência. Já 26% mostram-se constrangidos por não conseguir dar à família o que deseja e 25% demonstram frustração por deixar de comprar certos produtos que gostam. Em contrapartida, uma parcela considerável (37%) se diz satisfeita por manter, ao menos, os gastos essenciais e outra aliviada (33%) por não estourar o orçamento.

Mesmo que retomada da economia se consolide em 2019, maioria dos consumidores pretende manter práticas financeiras adotadas na crise.

“Bons hábitos de educação financeira costumam ser encarados como restrições a experiências positivas de consumo. Mas, ter um orçamento planejado e controlado, acaba viabilizando objetivos importantes na vida das pessoas. Cuidar bem das finanças evita o estresse que costuma vir junto com o endividamento ou o aperto financeiro”, ressalta o Chefe do Departamento de Promoção da Cidadania Financeira do Banco Central, Luis Mansur.

Metodologia
A pesquisa teve com amostra de 804 casos contempla as 27 capitais, pessoas acima de 18 anos, todas as classes sociais e ambos os gêneros. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais para um intervalo de confiança de 95%. Baixe a íntegra da pesquisa em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas

Notícias
  • Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?

    Continue lendo Clique e leia
  • Novo cadastro positivo deve reduzir taxa de juros no Brasil

    Continue lendo Clique e leia
  • LGPD: entenda o que é a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais
Blog
  • Campanha Dia dos Avós 2019: Quanto mais presentes, melhor.

    Continue lendo Clique e leia
  • Inscrições abertas do concurso CDL na Escola 2019

    Continue lendo Clique e leia
  • Dia dos Namorados: Amor à vista, presente parcelado

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais