Convocação Reunião Conselho Diretor Saiba mais

Campanha de Natal Saiba mais

Recicla CDL na Escola Saiba mais

Comunicação

Semana Lojista
  • Novo diretor do 6º Distrito é empossado

    Continue lendo
    Clique e leia
  • CDL Lages incentiva capacitação da Câmara de Gastronomia

    Continue lendo Clique e leia
  • Atendimento é tema de palestra da CDL Irani

    Continue lendo Clique e leia
  • Recicla CDL na Escola encerra em Trombudo Central

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais
Notícias
  • CDL Xanxerê abre inscrições para o “Concurso de Vitrines”

    Continue lendo
    Clique e leia
  • CDL Florianópolis sediará “Café com Negócios”

    Continue lendo Clique e leia
  • CDL Chapecó organiza campanha de recuperação de crédito

    Continue lendo Clique e leia
  • CDL Lages receberá presidente do SPC Brasil no Happy News

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais
Blog
  • Edital de Convocação Reunião do Conselho Diretor

    Continue lendo
    Clique e leia
  • Jucesc Digital facilita abertura de empresas e outros serviços

    Continue lendo Clique e leia
  • FCDL/SC é líder nacional na emissão de Certificados Digitais

    Continue lendo Clique e leia
  • Registro com Protesto chega a R$ 20 milhões recuperados

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais
Mensagem do presidente

Bom Senso e Diálogo

Após 70 anos de espera e discussões, a Reforma Trabalhista entrou em vigor. Mas o que parecia ser um início tranquilo de uma mudança mais do que aguardada para aperfeiçoar as relações entre empresários e colaboradores, começa já na primeira semana com divergências políticas, o que não deixa de ser surpreendente. Argumentando que era preciso acelerar a aprovação, o presidente Michel Temer editou a Medida Provisória da Reforma Trabalhista no dia 14 deste mês, após acordo com o Senado, o que desagradou o presidente da Câmara dos Deputados. Rodrigo Maia, presidente da Casa, desejava manter a aprovação via projeto de lei, o que causou um desconforto amplamente divulgado na mídia. Sem entrar no mérito das interpretações de cada um sobre a melhor condução da reforma e eventuais ajustes, não deixa de ser preocupante esta situação. Justo no momento em que o setor empresarial começa a enxergar uma luz no fim do túnel, superando a recessão econômica, embates políticos começam chamar mais a atenção que a própria aplicação da lei. Sem esquecer também que a MP tem um prazo para ser analisada e, findo este prazo, perde a validade. Esperamos que as desavenças entre os dois poderes não interfiram nos inegáveis avanços da Reforma Trabalhista e que as conquistas sejam mantidas, sem disputas ou margens para insegurança jurídica. O bom senso e o diálogo são a melhor forma de equacionar estas diferenças para que toda a sociedade saia ganhando e o Brasil gere mais emprego e renda.

Continue lendo